2.8.16

Welcome aboard.

13918717_1070554986364622_1344925322_o

Sou natural do Barreiro, onde vivi até há quatro anos, com algumas incursões, de curta duração, por Lisboa, cidade onde me encontro a residir. Desde pequenina, sou fascinada pela capital. Ambicionava viver deste lado, imaginava como seria a minha casa, as minhas rotinas, a minha individualidade, deste lado. 

 

O símbolo dessas memórias é, incontornavelmente, o rio Tejo. Era ele que me separava do sonho. Ir passear a Lisboa, quando tinha os meus quatro, cinco anos, e os meus pais não tinham carro, era todo um acontecimento. Fazer a travessia no Tejo tinha uma magia e um prazer indescritíveis. Desde a compra dos bilhetes, ainda de cartão duro, à validação do revisor, passando pelas características das embarcações, tudo aquilo era vivido com muita excitação. 

 

Com o passar dos anos, a estudar e, depois, a trabalhar em Lisboa, comecei a experienciar uma vivência algo diferente com o rio. Pese embora apreciasse a viagem, comecei a sentir o desgaste da vida diária dos transportes públicos. Ora senão vejamos. Há 14 anos, quando comecei a estudar em Lisboa, a travessia ainda demorava 30 minutos. Em dias de Inverno, era frequente chegar ao terminal fluvial e não ter como transpor o rio. Ventos fortes e nevoeiros suprimiam as ligações. Hoje em dia, somem-se as greves. O Terreiro do Paço não tinha estação de metro. Enfim, o barreirense quase que fazia (e faz) o triatlo para chegar atempadamente aos seus compromissos.

 

Apesar de tudo, há dias em que sinto saudades dessas viagens. Saudades dos barcos que tinham cave, terraço e nomes de cidades portuguesas. Dormi muitas meias horas naquelas caves, de bancos corridos de madeira envernizada. Esse era o spot preferido de quem queria fechar os olhos antes de mais uma jornada. Saudades do terraço nas tardes de Verão, do cheiro a maresia, do som das gaivotas iradas. De um inevitável presente dos céus. Fazia parte do pack "A Vida é Bela, powered by Soflusa". Saudades de caminhar para a estação e adivinhar qual seria o nome do barco que iria apanhar. Um dia, bem invernoso, entrei no Faro com a minha mãe. Íamos comprar a árvore de natal ao Colombo, essa meca do consumo. Chegámos a Lisboa duas horas depois, após termos ficado encalhadas num banco de areia que a tripulação não viu. Oops. 

 

Havia emoção nestas viagens, havia um certo mistério associado. "Será que vou ter barco? Será que chego viva? Será que adormeço, no embalo das ondas, voltando à estação de embarque, num loop Barreiro-Lisboa?" 

 

A introdução dos catamarãs mudou um pouco esta experiência. A viagem ficou reduzida para metade do tempo. Caso estejamos em hora de ponta, naturalmente. Nas horas mortas, e como o combustível está caro, estendemos a coisa até aos 20, 25 minutos. Mataram os espaços outdoor, garantindo que o indivíduo chega a Lisboa sem odor a tabaco e sem dejetos de aves na indumentária. Já não há cave nem bancos de madeira.

13883872_1070555326364588_1251493872_n

 

No entanto, há elementos que, hoje, ainda se mantêm, deixando-me orgulhosa da tradição marítima que as gentes do Barreiro carregam consigo.

 

Continuamos a ter as senhoras que rentabilizam o tempo da viagem para se maquilhar. Continuamos a ter o cheiro do verniz barato (houvessem mais tomadas eléctricas e teríamos forninhos de unha gel a cada dois lugares). Continuamos a ouvir a melodia do corta unhas. Sempre cheia de classe e requinte. Ao fundo, no bar, temos a canção, frenética, da bica a sair. O senhor do cabelo oleoso e da camisa fedorenta continua a frequentar o barco das 6h25, proporcionando aquela frescura da manhã aos demais utentes. Continuamos a ter que pedir por favor, enquanto vertemos uma lágrima, para ocupar aquele lugar que está entre duas senhoras cheias de vontade de deslocar os glúteos.

 

E, porque o barco é do povo, continuamos a acompanhar as vidas dos barreirenses, tão bem e tão alto comentadas.

 

Como não ter saudades disto?

 

publicado por ARA às 11:35
link do post | comentar | favorito (1)
5 comentários:
De Anónimo a 2de Agosto de 2016 às 12:19
Filhota! Texto 5 estrelas.Para quando a escrita de um livro?Bjs
De Marta Elle a 3de Agosto de 2016 às 11:40
É curioso como são sempre os pormenores que nos deixam saudades.
De ARA a 9de Agosto de 2016 às 22:28
É mesmo, Marta. São mesmo os detalhes que fazem toda a diferença. Os sons, as texturas, os cheiros :)
De Anónimo a 26de Agosto de 2016 às 11:21
Olá,
Antes e mais, obrigada por uma descrição tão perfeita de uma sempre animada travessia do Tejo...
Deixe-me só completar com mais pormenores...
A suecada jogada nas caves do barco, os corredores da sala de máquina cheias de pessoas, a leitura gratuita da revista TV 7Dias da nossa companheira de viagem, as apostas com a nossa consciência sobre se tal passageiro caía para cima da pessoa ao lado, embalado pelo sono e com ajuda das ondas...tantas memórias...sem esquecer a maior aventura de todas: sair do barco no pontão fustigado pela chuva e mau tempo...tanta gente vi cair...
De ARA a 30de Agosto de 2016 às 18:49
Obrigada pelo comentário e por essas notas adicionais :)

Comentar post

Seguir no SAPO


ver perfil
seguir perfil

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

grande animação! ;)
Se foi essa tragédia toda por causa de uma venda n...
Hmm, eu pensei que não valia a pena por Billy ou B...
Nunca imaginei que um simples anúncio poderia prov...
Obrigada, mami! Graças a elas, há material para po...

Posts recentes

Deixe o amor entrar*

Do Barril

Das leis do Universo

A Guerra dos Tronos

A menina escreve?

Arquivo

Novembro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Janeiro 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Mais comentados

subscrever feeds